Agronegócios


POLÍCIA CIVIL DE M. D´OESTE MANDA 4 PARA O XILINDRÓ, DENTRE ELES  UM POR QUEBRA DE MEDIDA PROTETIVA E OUTRO POR ESTUPRO DE UMA MENINA DE 13 ANOS.



 As prisões ocorreram nessa última semana, através de ordens judiciais das Comarcas de M. d'Oeste e de Tangará da Serra,  sendo todos conduzidos para a Cadeia Pública, ficando à disposição da Justiça



Foto: P.J.C. ed F.A.

 A equipe de Investigadores da Delegacia de Polícia Civil de Mirassol d'Oeste, distante 300 km da capital Cuiabá, realizou  nesses últimos dias o comprimento de vários mandados de prisões expedidos  pela justiça.



 Dois destes Manadas de Prisões foram expedidos através de representação policial ao Ministério Público, solicitando a Prisão dos suspeitos, após diligências, durante o trâmite dos inquéritos instaurados pela Delegacia de Polícia Civil da cidade de Mirassol d'Oeste.
Ilustração ( WEB)
  No primeiro caso o suspeito G.C.S.S., 21 anos,  foi preso pela equipe, que cumpriu o mandado de prisão expedido pela 3ª Vara Criminal de Mirassol d'Oeste,  após representação pedindo pela sua prisão, apontado como autor do estupro de venerável, praticado contra menor de 13 anos, fato este ocorrido na região de Mirassol d'Oeste.


 A prisão ocorreu na segunda-feira dia 18 durante as diligências e realizadas pelos policiais, que já estavam de posse da Ordem de Prisão,  sendo que o suspeito respondia o referido inquérito em liberdade,  onde a prisão foi solicitada e prontamente atendida  pelo poder Judiciário, sendo cumprida pela equipe da DP..


2ª Prisão

  O segundo caso se deu na última segunda-feira dia 25, quando  o suspeito A.G.M. 53 anos,  também foi preso pela equipe de Investigadores da DP de Mirassol d'Oeste, que já se encontravam com uma Ordem judicial de prisão contra o mesmo.
Ilustração ( WEB) Ed F.A.

 A prisão foi motivada pelo descumprimento de medidas judiciais expedida pela justiça, para que o mesmo não se aproximasse de sua ex-companheira,   determinação desobedecida  pelo pelo suspeito,  que culminou com a decretação de sua prisão, quando o fato foi comunicado.


 A quebra de medida protetiva caracteriza flagrante delito,  cabendo a prisão em flagrante do infrator.

 Em alguns casos  infrator é denunciado pelas suas companheiras ou mesmo por outras vítimas de parentesco, conforme enquadramento na "Lei Maria da Penha",  e mesmo sem proferir novas ameaças ou agressões, mas  pelo fato de quebrar a determinação judicial, se aproximando da vítima, já cabe a prisão.

Mesmo não sendo localizado no ato de flagrante a justiça acaba decretando o comprimento,   expedindo a ordem de prisão conta o transgressor.


 Outros dois casos
Ilustração ( WEB)
 Os outros dois casos foram mandados de Prisão civil, que foram cumpridos, sendo um em desfavor de E.J.de J. 52 anos, preso na data de 18/11, Mandado de Prisão expedido pela Comarca de Tangara da Serra- MT. 

E na data de 19/11, a Polícia Civil cumpriu mandado de prisão civil em desfavor de J.M.R. de 33 anos, que teve prisão decretada pela 1ª vara criminal e cível da comarca de Mirassol D'oeste-MT.


Todos os 4 presos foram devidamente encaminhados a cadeia publica de Mirassol, onde aguardam decisão judicial. 

Ilustração ( WEB) Ed F.A.

Postar um comentário:

0 comments:

Postagens mais visitadas

Seguir pelo email

Arquivo do blog