PM de Rondonópolis prende tarado que perseguiu e molestou Miss Mato Grosso




PM DE RONDONÓPOLIS PRENDE TARADO QUE PERSEGUIU E MOLESTOU MISS MATO GROSSO

 Os suspeito de 24 anos já foi preso outras três vezes por crimes da semelhantes, sendo que uma delas estava se masturbando em frente a uma esmaltaria
  

Ilustração

 A prisão do suspeito ocorreu por volta das 17 horas durante as continuidade as diligências para elucidar um crime sexual,  corrido no último domingo dia 26, em Rondonópolis




Agência Regional de Inteligência do 4 CR, conseguiu informações,  através dos circuitos de imagens das vias,   e durante a analise das imagens identificaram o suspeito.
 Foto: Ass Com PMMT

 Equipe Tático Comando da FT em diligências e com as informações obtidas através do Serviço de Inteligência, se deslocou até o residencial Juscelino Farias, onde encontrou o suspeito e a motocicleta utilizada por ele.


Foto: Ass Com PMMT
 Durante entrevista o mesmo relatou o endereço que reside,seguindo junto com os policiais até ao bairro Rosa Bororó, onde os policiais tiveram autorização para entrada na residência do mesmo e em localizarem capacetes e uma camiseta azul com estampa clara no peito, que estava no cesto de roupa suja.



 Essa camisa foi encaminhada para 1ª Delegacia de Polícia Civil, sendo reconhecida pela vítima como a vestimenta utilizada pelo suspeito.



 Além dessa Passagem de domingo a qual o mesmo responderá, os policiais confirmaram ainda outros três boletins de ocorrências,  registrado contra o mesmo, sendo de números 2020.24488, 2020.82684 E 2015.245679. Ou seja duas prisões no ano de 2020 e uma outra outra ano de 2015. Sendo esta a terceira vez em menos de cinco meses que o suspeito é preso por crimes  de conotação sexual.



 Policiais Militares de  Rondonópolis já conhecem o suspeito que é figurinha carimbada no álbum policial, sendo esta a quarta vez que conhece as instalações do xilindró. 

 Segundo informou Comandante do 5º BPM, TC Gleber Candido. 

" Ele tem 24 anos, ele já tem três passagens pelo mesmo crime, a Polícia Militar prendeu ele três vezes anteriormente,através de  Policiais do 5º Batalhão e da Força Tática. 




A última vez que ele foi preso, ele tava se masturbando na frente de uma esmaltaria, aqui na região da Vila Aurora, (bairro da cidade) em Rondonópolis, porém ele foi solto e dessa vez é a quarta vez que ele é preso pelo mesmo crime, utilizando inclusive a mesma moto."

 Vídeo : Ass Com PMMT




 O suspeito foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil de Rondonópolis, que continua apurando o caso que já estava sendo  investigado, após a denúncia da  modelo  e Miss Mato Grosso 2019  Ingrid Santin.




O caso.

 O caso do abuso sexual contra modelo Ingrid Santini ocorreu na tarde de domingo dia 26, por volta das 15 horas, no Residencial Green Ville,  quando a mesma foi perseguida e molestada pelo suspeito.



 Segundo a mesma relatou em um vídeo postado em seu Instagran;  ela encontrava-se em uma motocicleta a caminho da casa da irmã e observou que parte do trajeto passou a ser perseguida por uma outra motocicleta com um suspeito.

 Ao pressentir o perigo é a mesma ainda tentou ultrapassar uma caminhonete porém não conseguiu velocidade suficiente, momento em que o motociclista se aproximou emparelhando a motocicleta e colocou a mão entre as suas pernas, poupando as suas partes íntimas.

 Ao sentir que estava sendo molestada a mesma puxou a motocicleta bruscamente, para afastar-se do criminoso e quase sofreu um acidente com motocicleta.



A reação da mesma foi buzinar e gritar pedindo por socorro porém não havia ninguém na rua que pudesse ajudar a vítima, que muito abalada seguiu com destino a casa da irmã, enquanto o suspeito virou na rua seguinte.




Segundo o relato emocionado feito através de um vídeo postas em sua página do Instagran, entre outros trechos ela contou que Nesta segunda feira foi até a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher para registrar uma queixa de Assédio sexual e em breve relato informou a uma senhora o que ocorreu, contando detalhes da moto e das vestes do suspeito. Sendo perguntado a mesma se ela anotou a placa da moto. 

A vítima informou que não havia observado a placa da motocicleta, recebendo como resposta que não poderia fazer o registro e que não faria a sentido.

A vítima emocionada, em seu relato em vídeo disse ter se sentindo inclusive humilhada e decepcionada com o sistema,  e insistiu em fazer o registro assim mesmo,  na esperança que se alguma menina ou mulher que passou por isso antes, com o mesmo suspeito com a mesma característica, ontem ou outro dia, que fosse mais fácil a identificação e se ele fez isto com ela e se  teve a audácia é que está acostumada a fazer isto.


Disse ela; "Eu não me senti protegida pelas pessoas que são responsáveis pela segurança da nossa cidade, do nosso país, é realmente triste e é um grito que vem dentro de mim, por justiça e por desespero porque eu me senti extremamente humilhada e decepcionada com sistema.

Eu não sei se é assim sempre, eu não sei se você já passou, por isso e teve esse mesmo desenrolar na história mas hoje, más hoje eu me pego pensando nas mulheres que não tiveram a mesma sorte que eu de não ter acontecido nada além disso,  dê as mulheres que não conseguiram fugir e as mulheres que não conseguiram ter a mesma sorte sorte



Então até quando até quando vamos viver com medo, até quando vamos temer andar na rua, eu só tenho é isso."




Em outro trecho do vídeo a vítima ainda questiona se era de a a obrigação e investigar e sair atras do suspeito ou esta obrigação era da Polícia.

Veja no link abaixo o vídeo na íntegra, perfil e Ingrid Santini

Instagran da vítima: Ingrid Santini


 A Polícia Civil através de sua Assessoria de Comunicação informou a Imprensa, através de uma nota, que de fato foi perguntado se a vítima teria anotado a placa da moto, pois é importante reunir todas as informações para  confecção do Boletim de Ocorrência e a identificação do agressor e que a falta de anotação de uma placa não é empecilho para registrar uma ocorrência.




 Confira a nota na íntegra


A vítima procurou, na manhã desta segunda-feira (27.04), a Delegacia Especializada da Mulher em Rondonópolis (DEDM) para relatar a ocorrência, foi atendida e teve o boletim registrado.
Durante o procedimento de registro de ocorrências, os policiais coletam o maior número possível de informações para dar prosseguimento às investigações. De fato, foi perguntado à vítima se ela havia conseguido anotar a placa da motocicleta, pois é necessário reunir informações para que seja possível identificar o agressor. Contudo, o fato da vítima não conseguir dar tal informação não é empecilho para o registro da ocorrência, como de fato foi feito.
A delegada responsável pelo caso já determinou a realização de diligências a fim de identificar o suspeito.
A Polícia Civil ressalta que todas as Delegacias da Mulher têm equipes aptas a fazer o registro e acolhimento das vítimas que procuram as unidades.
Em Nota a Policia Civil 

Comentários